Com show de Di Maria e Djony, Pato Futsal goleia o Atlântico e sai na frente na final da LNF

0
92

No primeiro jogo pelo título da Liga Nacional de Futsal, donos da casa marcam 6 a 0 e jogam pelo empate na volta, em Erechim; se Atlântico vencer, decisão vai para a prorrogação
Por GloboEsporte.com — Pato Branco, PR

A torcida paranaense fez longas filas desde às 7h da manhã para lotar o Ginásio Dolivar Lavarda, em Pato Branco, e não se arrependeu. Viu o Pato golear o Atlântico neste domingo, por 6 a 0, e sair na frente na decisão da Liga Nacional de Futsal (LNF). Di Maria, com dois gols, e o goleiro Djony, com lindas defesas e um gol da própria área, brilharam. Agora, o time que deixou para trás Corinthians e Sorocaba só precisa de um empate em Erechim, no próximo domingo, para conquistar o título inédito. Já os gaúchos, apesar de terem feito a melhor campanha na temporada, terão que vencer para forçar a prorrogação. Se conseguirem, a sorte muda, e aí será o Pato que terá que vencer o tempo extra para ser campeão.

Di Maria, duas vezes, Alemão, Djony, Ernandes e Lucas (contra) marcaram os gols da partida. O Atlântico caiu na pilha da torcida, que cantou desde o aquecimento dos times, e ainda sentiu falta de Danilo Baron, que sofreu fratura na fíbula na semifinal do Campeonato Paranaense, e Neguinho, suspenso.

Primeiro tempo
O Atlântico começou melhor. O time de Erechim criou melhores chances de gol e permaneceu mais tempo no ataque. Os visitantes ameaçaram depois de uma cobrança de escanteio, a bola balançou a rede, mas a arbitragem pegou toque de mão de Jé. Se tecnicamente os visitantes dominavam, a torcida deu o empurrão que o Pato precisava. Alemão abriu a porteira depois de uma bola rebatida para o meio da área pelo goleiro Careca. Di Maria ampliou. A defesa do Atlântico tentou tirar, mas o ala entrou com bola e tudo: 2 a 0.

Segundo tempo
A torcida seguiu empurrando, e o Pato voltou para o segundo tempo com tudo. A principal arma: contra-ataque. Foi assim que os donos da casa assustaram logo no início. Well recebeu de Djony, tocou na saída de Careca, mas Selbach salvou em cima da linha. Na sequência não teve jeito. Djony fez bela defesa em chute de bico de Jé. Depois de mais um contra-ataque fulminante, Ernandes chutou cruzado, e Lucas desviou contra a própria meta. Gol contra e 3 a 0.

Bem que o Atlântico tentava, mas todas as investidas paravam nas mãos do goleiro Djony. O Pato começou a colocar a defesa rival na roda e, com uma aula de futsal, fez 4 a 0. A jogada passou de pé em pé até chegar limpa para Di Maria empurrar para a rede e anotar seu segundo gol na partida.

O quinto gol saiu dos pés de Ernandes, que comemorou e causou a fúria dos jogadores do Atlântico. Ele teria imitado uma galinha, lembrando que o mascote do time gaúcho é um galo. Ânimos exaltados, o técnico Giba tentou arrumar a equipe, mas foi em vão. Para fechar a goleada com chave de ouro, o goleiro Djony se aproveitou que o rival jogava com goleiro-linha e, da própria área, fez o dele: 6 a 0.

A campanha dos finalistas
Atlântico e Pato chegaram à decisão com campanhas bem parecidas. Na primeira fase, o Galo de Erechim somou 12 vitórias, um empate e cinco derrotas, totalizando 37 pontos. Já o Pato, em 18 jogos na primeira fase, venceu 10, empatou cinco e perdeu três, somando dois pontos a menos que os gaúchos.

Nos playoffs, o Atlântico eliminou Assoeva, Minas e Marechal Rondon, enquanto o Pato passou por Marreco, Corinthians e Sorocaba. Tanto Pato como Atlântico nunca conquistaram a LNF.

FONTE:
https://sportv.globo.com