E O ASFALTO DO BAIRRO INDUSTRIAL?

0
60

Dias vão, dias vem, chuvas vão, chuvas passam, e nenhuma medida é tomada em relação as estradas (se é que podemos chamar assim) do bairro industrial.

Dizem que está tudo certo, que é só começar o asfalto, mas porquê ainda não começaram?
Enquanto isso, a dignidade dos empresários e dos funcionários que geram divisas para Palmas é agredida diariamente com o descaso, a falta de bom senso e o desrespeito pelo cidadão trabalhador.

É inadminissível que uma cidade com o potencial de Palmas e de sua gente esteja passando por tantos momentos complicados, graças a uma administração difícil e totalmente alheia ao clamor das dificuldades que o município passa.

Um bairro industrial é a menina dos olhos de qualquer cidade, dali vem esperança e o futuro, vem a benção do trabalho e da geração de empregos para as pessoas. Enfim é o coração de uma cidade.

No entanto, isso parece não ser de muita importância aos administradores pelo que percebemos nas imagens ao lado, e isso já faz muito tempo que encontra-se assim abandonado a céu aberto, em outras palavras como dizem os moradores de lá: ‘’Uma vergonha’’.
Mas de quem é a culpa? Quem é o responsável por tanto descaso e sofrimentos das pessoas daquela localidade?

Os moradores daquela localidade que foram buscar informações sobre o caos em que se encontram tiveram uma resposta positiva que já está tudo pronto e falta apenas iniciar, no entanto, ninguém entende se para iniciar a obra o administrador está esperando parar a chuva ou está esperando chover, ou está esperando para o ano que vem, vai saber, tem que decifrar a resposta, o certo é que ninguém aguenta mais tanto descaso.

Os moradores bem como os empresários exigem mais dinamismo e comprometimento e respeito e que a obra seja rapidamente iniciada e terminada, já que não aguentam mais passar por tudo que tem passado, ora com a lama ora com a poeira. E cobram do executivo e legislativo mais ação e que mostrem para a população atitudes e comprometimentos para uma Palmas melhor.

Por: Jocemar Ferreira da Silva

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here