Ruas caóticas em Palmas

0
182

No bairro São José dois casos vem chamando atenção dos moradores, uma seria na rua de calçamento conhecida como Léo Club no qual os moradores vem há muito tempo cobrando soluções para os representantes das duas esferas (Legislativo e Executivo) e até agora nada resolvido.
Local fica próximo de um colégio onde centenas de pessoas fazem parte dessa instituição e segundo os moradores e até mesmo em algumas imagens tirada pela equipe do jornal mostra a realidade daquela rua, é um caso lástimavel!
Segundo comentários dos moradores daquela localidade o fato é que existe uma grande possíbilidade de acidentes principalmente com crianças indefesas colocando sua vida em risco, considerando que a rua é estreita e vários pontos do calçamento são caóticos fazendo com que dificulte trafegar veículos com movimentação de pessoas.
Um dos moradores relata a imprensa escrita que está aguardando uma resposta do Legislativo referente ao caso, mas já faz muito tempo que vem cobrando de ambas as partes (Legislativo e Executivo),porém acredita que próxima semana tem um parecer desse caso, ”vamos aguardar” diz o morador.
Já no segundo caso é referente ao bairro São José, são centenas de moradores que residem atrás do CAIC e vem sofrendo com as ruas esburacadas e pedaços de asfalto que tempo atrás chamavam de “casquinha de ovo”, dizem eles que essa comunidade é o lugar esquecido pelos políticos e somente lembrados em epócas de eleição, raramente alguns reparos são feitos e quando fazem não é de extrema urgência quanto à necessidade há exemplo de infraestrutura ou desenvolvimento social, somente quem frequenta sabe o que estamos falando, finaliza um pai de família em busca dos seus direitos esperando apenas soluções úteis por parte dos responsáveis.
Outro morador daquela comunidade comenta que já passou vários vereadores se disponibilizando em ajudá-los, mas algo vem travando o desempenho de alguns representantes, talvez exista uma força oculta que não dá autoridade suficiente para os nossos representantes de boa fé executar as reivindicações feita por nós, diz o cidadão.