Polêmica em torno da ação da Casa de Show de Palmas divide opiniões

0
238

No final de semana uma ação integrada de fiscalização urbana (AIFU), envolvendo Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Conselho Tutelar, Departamento de Fiscalização da Prefeitura e Vigilância Sanitária em estabelecimentos comerciais, acabou causando um debate em torno das medidas adotadas durante a operação, isso porque um bar muito frequentado nos finais de semana foi fechado na ação.
O Purungal Lounge Bar casa muito conhecida e frequentada em Palmas, que tem como um dos seus sócios o Vereador Fernando Souza teve o funcionamento suspenso no final de semana por conta de questões sanitárias, essa foi a alegação apresentada pelo vereador em entrevista a rádio local, a Vigilância Sanitária Municipal, não se manifestou oficialmente, contudo informações extraoficiais dão conta que a licença sanitária estaria vencida a mais de trinta dias.
Diante do fato surgiu a polemica, uma vez que o vereador e sócio do estabelecimento, julgou em sua entrevista e nota divulgada em redes sociais que a punição foi “desnecessária”, Fernando argumentou que embora houvesse falha por parte do estabelecimento o fechamento foi uma medida desnecessária, no seu ponto de vista uma notificação de advertência poderia ter sido adotada para evitar o fechamento e cancelamento das atividades programadas.
Nas redes sócias a noticia se espalhou rapidamente e dividiu opiniões, de um lado os que consideraram a atitude um tanto quanto truculenta, de outro aqueles que afirmam que a “lei é para todos”.
Nas ruas também o assunto foi alvo de discussão e novamente as opiniões se dividem, uns que dizem que tudo poderia ter sido resolvido através do diálogo, e outros no entanto taxaram como muito correta a ação.
Em conversa com nossa equipe um dono de estabelecimento que já passou por isso julgou correta a ação, tendo em vista que a “mesma lei que se aplica para os pequenos deve ser aplicada nos grandes também sem distinção” disse ele, já outro também comerciante disse que passou por isso e não acha correto o fechamento sem antes ser advertido formalmente.

Fonte: Jocemar Ferreira da Silva
Diretor Jornal Destaque Regional

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here